Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais

Acusados de matar estudante em Extrema vão a júri popular

Júri se inicia em 4 de dezembro, às 9h, em Cambuí


- Atualizado em

Os três acusados de matar a estudante universitária Larissa Gonçalves de Souza, em Extrema, em outubro de 2015, irão a júri popular no próximo dia 4 de dezembro, a partir das 9h, na Comarca de Cambuí, para onde o processo foi transferido. O júri será realizado no Salão do Júri do Fórum Paiva Júnior (Rua Coronel Lambert, 275). O julgamento será presidido pela juíza Patrícia Vialli Nicolini, e a previsão é que se estenda por três dias. Os réus estão presos em Extrema, Pouso Alegre e Caxambu.

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a estudante foi assassinada em 23 de outubro de 2015, aos 21 anos, no Bairro Ponte Nova, em Extrema. A jovem teria sido sequestrada na rodoviária da cidade pelos três réus – o comerciante José Roberto dos Santos Freire, o garoto de programa Valdeir Bispo dos Santos e a técnica de enfermagem Rosiane Rosa da Silva –, tendo sido, em seguida levada para a casa do comerciante, onde foi morta. O corpo foi posteriormente envolto em uma sacola plástica e levado a uma área de mata da cidade, onde foi jogado de uma ribanceira.

cambui.jpg
Júri foi desaforado de Extrema para Cambuí (foto)

Ainda segundo a denúncia do Ministério Público, a vítima foi encontrada amarrada pelos punhos e tornozelos e teve a cabeça envolta em fita adesiva. A morte teria ocorrido por asfixia, e o corpo apresentava também fraturas no punho, no osso hioide e no maxilar, provocadas por golpes de haltere. Narra ainda a denúncia que o comerciante teria planejado a morte de Larissa por ter interesse no namorado dela; o garoto de programa, por sua vez, teria sido motivado a assassinar a jovem para receber R$ 1.000; e a técnica de enfermagem, apenas porque o comerciante pediu a ajuda dela no crime.

 

Em 2 de dezembro de 2016, o juiz Ricardo Alves Cavalcante, da Comarca de Extrema, proferiu a sentença de pronúncia dos acusados. O comerciante José Roberto, que seria o mandante do crime, e Valdeir, que teria recebido para matar a jovem, serão julgados por homicídio e ocultação de cadáver. Valdeir será ainda julgado pelo estupro de Larissa que, conforme a denúncia, teria ficado evidenciado após laudo de necropsia. A técnica de enfermagem Rosiane será julgada por homicídio.

 

O andamento processual pode ser conferido aqui

 

Credenciamento de jornalistas

 

Jornalistas interessados em acompanhar o júri dos acusados devem se credenciar previamente, enviando nome completo e do veículo de comunicação onde trabalham para imprensa@tjmg.jus.br, até 3 de dezembro, às 14h30. Advogados, estudantes e a população devem procurar a secretaria do juízo. Devido ao tamanho do salão do júri, as vagas serão disponibilizadas por ordem de inscrição.

 

Assessoria de Comunicação Institucional - Ascom
Tribunal de Justiça de Minas Gerais - TJMG
(31) 3306-3920

imprensa@tjmg.jus.br
facebook.com/TJMGoficial/
twitter.com/tjmgoficial
flickr.com/tjmg_oficial